Papa Francisco diz o óbvio

Desde que assumiu a 266º cadeira da Igreja Católica e tornou-se chefe de estado do Vaticano, tem-se atribuído ao lider católico uma série de frases onde o Papa Francisco diz sobre assuntos polêmicos.

O papa Francisco é o primeiro papa jesuíta da história da igreja e é popular tanto entre os católicos como entre os não católicos.

Papa Francisco diz o óbvio
Papa Francisco diz o óbvio

Todos nós sabemos que, muitas vezes, existe uma distância enorme entre o que alguém diz e o que os outros entendem ou querem entender.

Embora não tenha afinidade com os dogmas católicos, simplesmente por serem dogmas, e menos ainda pela doutrina católica em si, tenho total respeito por toda crença que leve o home à pelo menos tolerarem-se entre si.

Ainda que a história tenha fortes indícios do contrário, confio plenamente que o problema dos católicos são os fieis, e não toda doutrina. E isto aplica-se a toda crença.

Toda homem dogmático afasta-se da razão, que é uma características que nos faz seres humanos.

O título desta postagem chama atenção para ao evidente. O discurso da moral religiosa é o discurso do óbvio. Enquanto que o discurso sobre teologia religiosa é o discurso do absurdo.

Vejamos as afirmativas bíblicas:

  • Não matar
  • Não roubar
  • Não levantar falso testemunho

Num dos discursos do Papa Francisco, ele afirma o seguinte:

“Mas o que é o escândalo? O escândalo é dizer uma coisa e fazer outra; é ter vida dupla. Vida dupla em tudo: sou muito católico, vou sempre à missa, pertenço a esta e aquela associação; mas a minha vida não é cristã. Não pago o que é justo aos meus funcionários, exploro as pessoas, faço jogo sujo nos negócios, reciclo dinheiro, vida dupla. Muitos católicos são assim. Eles escandalizam. Quantas vezes ouvimos dizer, nos bairros e outras partes: ‘Ser católico como aquele, melhor ser ateu’. O escândalo é isso. Destrói. Joga você no chão. Isso acontece todos os dias, basta ver os telejornais e ler os jornais. Os jornais noticiam vários escândalos e fazem publicidade de escândalos. Com os escândalos se destrói.”

Ao falar da vida dupla que muitos católicos seguem, ou seja, ao afirmar sobre pessoas que dizem-se seguidores da doutrina católica, mas que cometem deslises de conduta reprocháveis, o papa Francisco diz que muitos dão razão ao dito “Ser católico como aquele, melhor ser ateu”.

Notadamente os discursos religiosos, muitas vezes necessários, mas anunciam o óbvio. Só que em se tratando de igreja católica o óbvio demorar a surgir oficialmente.

É óbvio que ser honesto e ateu, ser justo e ateu, é mais louvável do que ser hipócrita. Não precisaríamos que fosse falado isto, caso houvesse um pouco mais de decência nesta humanidade.

Mas infelizmente vivemos num mundo onde há pedófilos, e alguns são padres, há estelionatários, e alguns são pastores. Ou seja, há quem viva a vida dupla, e os mais reprováveis são os que pregam moral, e são imorais.

Neste sentido o papa Francisco diz o óbvio, mas que são necessários para que o público que partilha da fé Cristã seja acordado para uma reflexão mais acurada.